Eu Acuso, Logo, Acuso-me... (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay
Espaço Aberto
Opinião

Eu Acuso, Logo, Acuso-me...



Set 2003

Eu Acuso, Logo, Acuso-me...

Face ao nojo e ao espanto que (sem ainda acreditar que estou acordado e não a viver num pesadelo infame e sem propósito) a notícia que transcrevo abaixo me causou, eu acuso claramente a opusgay, suposta associação glbt (suposta associação porque não lhe conhecemos os membros, para além do seu - eleito ou auto imposto??? - presidente e da sua vice presidente ), de actuar de forma senil e criminosa para com a população glbt deste país, destruindo (com gestos simples, mas eficazes) tudo o que se tem conquistado ao longo destes anos.

Há uns anos atrás um amigo meu dizia acreditar (e sem o meu crédito, o que lamento agora profundamente) que a opus gay tinha sido criada pelos movimentos reaccionários e ultra-conservadores para um único propósito: descredibilizar por "dentro" o movimento glbt com as armas que os terroristas políticos melhor utilizam, a saber, a difamação, a mentira, o bloqueio, a política baixa, a passagem para a opinião pública de uma imagem degradante e falsa de uma comunidade/instituição/personalidade.

Lembrava o meu amigo, querendo convencer-me, que nada disso era novo e que inclusivamente o Sr Le Pen teria feito algo similar, financiando anonimamente uma revista "gay" onde, em todos os números, se associava insistentemente a homossexualidade à pedofilia e se promovia esta prática, com propósitos que, face aos efeitos negativos que pudemos constatar ultimamente em Portugal, não necessitam de explicação (esta afirmação foi feita, note-se, há muitos anos atrás, longe das notícias que assolaram o país nos últimos tempos e que agora poderão passar por retórica fácil da minha parte, mas que corresponde a uma comparação que existiu num contexto que não é o actual mas que, ainda assim, é muito elucidativa do que pode acontecer).

Lamento meu querido amigo não te ter dado ouvidos mesmo depois de ter sido durante anos massacrado por uma contra-corrente a que só lhe interessava o "contra" e que de corrente só tinha a que nos enforca a todos lentamente (e que nesta notícia que agora vem a lume tão evidentemente se manifesta). É obvio que muita razão não te devia faltar e que - dado o agora exposto - só um estúpido, um cego ou um hipócrita não vê o que agora salta à vista.

Já não bastava ao Sr António Serzedelo ter envenenado o interior do movimento glbt com difamações sobre a Ilga-Portugal, o GTH, o Gonçalo Diniz, a Abraço, o Fórum glbt, os arraiais, os trabalhos da conferência da Ilga-Europa, etc., etc., etc, etc., etc., etc., etc.

Ainda lhe faltava bloquear aquilo que outros países supostamente mais avançados procuram e que no nosso país, pelos vistos, estava "à mão de semear", a saber, que o movimento glbt português (e, consequentemente, o movimento glbt em geral e a população que procura servir) tivesse uma cara e um nome e que não fosse remetida para a caixa das "diversidades" (ah, Celso Júnior como, se já te compreendia, agora me apetece dar-te um Óscar!!!) , para o campo do "é importante, mas há coisas com carácter mais prioritário, fica para a próxima" ou mesmo para o campo da inutilidade.

A vergonha (para muitos já suficiente por ser motivo de anedota em várias frentes) de termos uma associação tonta e senil a falar em nome de uma comunidade glbt que nela nunca se reconheceu e que só pode servir aos que procuram lançar para o descrédito essa mesma comunidade, esta vergonha, dizia eu, não chegava à opus gay e aos seus líderes. Não, senhor! Ainda era necessário mostrar aos parceiros que nos têm tratado como iguais que, afinal, somos tão inferiores e de importância secundária que temos que esperar para a próxima para sermos visíveis num âmbito onde, pelos vistos, a visibilidade ainda - e também - é difícil (o mundo do "politicamente correcto" também continua a ter "prioridades" e os glbt nem sempre são uma ou são apenas usados para conquistar simpatias, como sabemos).

Poderemos apenas pensar que a opusgay pensou "como não somos nós (leia-se, eu, antónio serzedelo) não é ninguém" e lá vetou a presença de uma pessoa, capaz e acima de toda a suspeita, dentro do movimento glbt (minha querida Fabiola, o que te estava reservado...).

Francamente, e lamentando tão profundamente como não posso expressar nestas linhas, não posso ser tão simplista e acho mesmo que a fase em que estamos é já outra. É a fase da clareza, sustentada por um mundo onde a xenofobia, a homofobia e as fobias idiotas cada vez mais têm tempo de antena, e onde a associação opusgay opta por uma posição de igoísmo senil (insisto no senil e leiam estas linhas em "alto e bom som") e de proximidade evidente a um movimento que é de bloqueio e não de liberdade.

Como tal, eu acuso a opusgay (que aqui escrevo sempre com minusculas por nada de maiusculo haver no se seio) de não ser merecedora da denominação "associação glbt" pois é contra a comunidade glbt e o movimento que os procura representar, levando essa associação e os seus líderes a cabo as suas campanhas nojentas e mesquinhas (deixo de perceber doravante a presença desta associação nos links dos vários sites glbt, a menos que criem uma secção de links de sites a evitar ou a ter em conta como se têm em conta os buracos da rua enquanto passeamos...).

Mas a minha acusação não fica por aqui.

Infelizmente também tenho que acusar todos aqueles que, por "brandos costumes" ou por hipocrisia (como vi gente a mudar de atitude perante a opusgay durante a conferência da Ilga-Europa...) deixam "andar" estas situações e nada fazem que demonstre, não só à opusgay, mas sobretudo à população em geral e ao restante movimento que a semelhança entre o que a opusgay faz e o que o movimento glbt e a população glbt querem é pura coincidência. Acuso todos aqueles que, mesmo avisados, continuaram a adiar, a deixar "andar" e a esperar (inutilmente) que algo mude por milagre e que o opusgay abandone a sua missão determinada de "chatear" e matar (o terrorismos mata!) tudo aquilo que de positivo se fez e se alterou nas condições de vida neste país nestes últimos anos. Acuso todos aqueles que deram dois passos em frente depois de um esforço por vezes desumano e que deixam a opusgay dar cinco passos atrás e que só ficam "chateados" (silenciosamente muitas das vezes, como se pode ver pelo facto do actual "fórumgate" não estar senão no site do portugalgay).

Enfim - e quem achar que é retórica que se lixe!!! - acuso-me a mim próprio (mas não estando sozinho e estando acompanhado pela maior parte dos itervenientes no movimento glbt português) por não ter tomado a posição que muitos queriam que se tomasse no passado, deixando que o rasca, o reaccionário, o covarde e o terrorista se instalassem e ganhassem raízes neste movimento que tanto prezo e que continuo a ver empobrecer com atitudes inqualificáveis destas.

Enfim, eu acuso e acusando, acuso-me e é a vergonha e a revolta que me impele a escrever estas linhas, acompanhada de uma vontade de que tudo mude e da dúvida de se algo ainda irá verdadeiramente mudar.

Bem haja a todos e todas que possam entender o que agora escrevo e porquê. Aos restantes, nada mais tenho a dizer.

José Manuel Fernandes

(ex-presidente da Associação Ilga-Portugal mas escrevendo em nome próprio, exclusivamente próprio!)

José Manuel Fernandes

Comentário no site da ILGA Portugal (http://ilga-portugal.oninet.pt/):

José Manuel Fernandes acusa Opus Gay

O torpedear constante da Opus Gay, entre falsos testemunhos e oposição velada e permanente aos novos passos, tem desacreditado o movimento LGBT. Tal como tod@s @s que levam o movimento LGBT a sério, a actual Direcção da Associação ILGA Portugal muito tem penado com esta situação, pelo que acedeu de bom grado a publicar o desabafo do ex-Presidente da Direcção. Considera a Associação ILGA Portugal que aquilo que José Manuel Fernandes sentiu ao escrever o texto que se segue reflecte a frustação de quem vê constantemente ruir o trabalho a muito custo erguido.

23 Setembro 2003


Ver notícia PortugalGay.PT referida no texto

Comunicado de imprensa em que PortugalGay.PT refere os bloqueios da Opus Gay no processo do FSP

 

Eu Acuso, Logo, Acuso-me...

© 1996-2017 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas DOIS e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2017 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal