Pesquisa:
 

Terça-feira, 1 Março 2005 00:59

PORTUGAL
Monge da Igreja Ortodoxa confessa ter abusado de criança de cinco anos



Crimes em julgamento terão sido cometidos entre Maio e Agosto de 2003.


O Tribunal de Vila Franca de Xira começou ontem a julgar um monge da Igreja Ortodoxa portuguesa, acusado de abuso sexual de crianças. O arguido confessou parte dos crimes, mas justificou a situação com a vontade de "proteger a Igreja". Afiançou, além disso, que era uma menina de cinco anos quem o procurava para práticas sexuais, o que, em seu entender, demonstrava que manteria esses comportamentos com outros membros da comunidade. O arguido, oleiro, de 36 anos, já professava a religião ortodoxa e diz que sempre pensou tornar-se monge mas só há cinco anos entrou numa comunidade, então instalada em Mafra. Esta comunidade, que já passara por Sintra, mudou-se, em Janeiro de 2003, para a Quinta da Granja, uma propriedade rural de Cachoeiras, concelho de Vila Franca. Foi aí que, segundo o Ministério Público, o monge terá, entre Maio e Agosto de 2003, sujeitado uma menina de cinco anos a vários abusos sexuais. Diz a acusação que, aproveitando a relação de confiança com a mãe da criança (uma das responsáveis do mosteiro), o arguido abusou sexualmente da menina. O Ministério Público acrescenta que o homem terá uma vez sido surpreendido por um rapaz de 10 anos - que também vivia na comunidade - e que posteriormente o terá violado, amarrando-o a uma cama. A situação acabou por ser descoberta e investigada pela Polícia Judiciária e o arguido foi detido em Março de 2004, já depois de ter sido convidado a sair da comunidade. A menor, de acordo com exames efectuados, mantinha o estado de "virgindade anatómica". Em audiência, o monge contou ontem que trabalhava na quinta e tomava conta do mosteiro e garantiu que foi a menina que começou a manifestar interesse em "namorarem" e em manterem contactos sexuais; diz que começou por recusar, mas que a criança lhe terá dito que "já tinha tido relações" com outros membros da comunidade. Garantiu que nunca abusou do rapaz. "Como é que é capaz de dizer que foi uma criança de cinco anos que o seduziu?", estranhou a juíza presidente do colectivo, Hermínia Oliveira. "No mosteiro fazia-se tudo menos rezar. A ideia com que ficamos é que é uma autêntica perversão", prosseguiu. O arguido disse ainda que, em Mafra, terá havido problemas com monjas menores e um outro responsável da Igreja, mas o caso terá sido "abafado". O procurador da República garantiu que as denúncias serão investigadas. Na sessão foram ainda ouvidas duas inspectoras da brigada de crimes sexuais da PJ, que afirmaram que a menina falou apenas de abusos cometidos pelo arguido, mas admitiram que a comunidade é muito fechada. "Dava a sensação de ter algum receio de contar certas coisas", disse uma delas.

Pode também ter interesse em:

 
On-Line
Arquivo Notícias (2005)
© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?


Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas CINCO e SEIS.
Depois clique em OK.

© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal